5 dicas valiosas para manter a conta do seu negócio no azul

7 minutos para ler

Como identificar para onde vai o dinheiro da sua empresa? Como saber quanto cobrar pelos seus produtos ou serviços, mediante às despesas que o seu negócio tem? E como não ser pego de surpresa, como aconteceu com muitos autônomos durante a pandemia do coronavírus, quando a sua fonte de renda não conseguir mais pagar o seu salário?

Neste artigo, conversamos sobre cinco dicas valiosas para ajudar MEIs e trabalhadores autônomos a não gastarem dinheiro à toa e terem sempre um saldo positivo no banco. Acompanhe!

1. Tenha atenção aos pagamentos dos impostos

A rotina de quem é um pequeno empreendedor não é fácil mesmo: uma mesma pessoa ocupa o papel do comercial, faz o atendimento ao cliente, é responsável pelas vendas, pela criação dos produtos, pela emissão das notas fiscais, pagamentos e várias outras funções.

Porém, apesar de toda essa correria, é importante estabelecer uma rotina para que os pagamentos de impostos não sejam atrasados, como o pagamento mensal do seu MEI, por exemplo.

A cada dia que passa depois do vencimento, você terá de pagar mais juros de atraso, o que significa que o suado dinheiro da sua empresa, fruto do seu trabalho, está sendo gasto desnecessariamente.

Uma boa ideia para nunca perder as datas é ter um calendário online dedicado à empresa, no qual todas as obrigações fiscais devem ser anotadas. Se possível, sincronize este calendário a um aplicativo no seu celular, para que você possa consultar estas datas também quando estiver trabalhando na rua.

E, para garantir que você não esqueça de olhar o seu calendário, ative alertas por e-mail ou notificações direto no seu celular para relembrá-lo desta tarefa.

2. Aposte no poder de divulgação das redes sociais

Você, seus amigos, sua família, todo mundo está nas redes sociais, certo? Pois é, é lá que os seus clientes estão também! Então, tenha você uma barraquinha de cachorro-quente ou um pequeno negócio de venda de artesanato, é uma boa ideia apostar nesses canais para comunicar os seus produtos ou serviços e ganhar mais dinheiro.

Vale postar fotos de clientes aproveitando os produtos comprados, mensagens satisfeitas de compradores, fazer vídeos mostrando os bastidores do preparo dos seus produtos para a venda ou para o envio, enfim, solte a sua criatividade!

O importante é criar posts que sejam interessantes e que ajudem a tirar as dúvidas de possíveis clientes. Algumas boas questões a serem respondidas são: onde o consumidor pode encontrar o seu produto à venda? Como ele pode entrar em contato contigo em caso de dúvidas? Você faz envios para outras cidades ou estados?

3. Acompanhe de perto todos os gastos

A sua empresa está tendo lucro ou está sempre na corda bamba? Quanto você precisa vender todos os meses para garantir que a sua empresa seja rentável?

É impossível responder a esta pergunta com certeza sem saber quais são os seus gastos. Por isso, acompanhar quanto sai da sua conta é o primeiro passo para buscar um equilíbrio financeiro. Vamos ver como é possível chegar nesses números, então.

Os custos fixos

O primeiro passo é separar os seus custos em 2 tipos: os fixos e os variáveis. Nos custos fixos, liste contas como aluguel ou eletricidade (tome como base o valor mais caro já pago) que a sua empresa pague todos os meses, gastos com equipamentos e materiais, além do salário básico que você precisa para se sustentar. 

Nessa conta também devem entrar os impostos que você precisa pagar (por exemplo, a mensalidade do seu MEI), as tarifas bancárias ou qualquer tipo de empréstimo que você tenha pego no banco para iniciar o seu negócio. Se você paga um contador ou uma ferramenta de contabilidade, também inclua isto na conta dos custos fixos.

Os custos variáveis

Agora você já sabe qual é o mínimo que a sua empresa tem de despesas todos os meses.

Em seguida, comece a calcular os custos variáveis do seu negócio. Aqui pode ser um funcionário que você contrata às vezes como freelancer para te ajudar em um trabalho, podem ser despesas com alimentação ou transporte para encontrar clientes fora do seu escritório, pode ser uma lembrança que você precise enviar a um cliente ou gastos com correios para enviar documentações a um um parceiro de trabalho.

Esses custos variáveis se chamam assim porque em um mês estão presentes (levando o empresário ao desespero!), mas no outro podem desaparecer. Por via das dúvidas, tente faça o cálculo para descobrir o seu gasto médio com custos variáveis. E, claro, tente economizar essa média todos os meses, mesmo que nenhum gasto se faça necessário.

A reserva de emergência

E agora, tudo o que restou é lucro?

Não! É importante também ter uma reserva extra, para o caso de precisar comprar um computador novo ou ter um gasto mais alto que seja imprevisto. Por isso, reserve um percentual dos seus ganhos sempre para garantir que não seja pego de surpresa.

Lembre-se que o valor da sua hora de trabalho ou dos seus produtos precisa ser calculado pensando em todos os seus gastos. E, claro, fique também sempre atento às possibilidades de reduzir os seus gastos. Substituir a sua conta bancária tradicional por uma digital sem tarifa é um bom exemplo de como reduzir uma despesa.

4. Pesquise apps que podem fazer as vendas bombarem

Você precisa conquistar novos clientes, aumentar as suas chances de vendas, mas não sabe como? Com certeza tem um aplicativo famoso e com muitos usuários ajudar seu negócio a ganhar mais dinheiro e mais rápido!

Se você vende produtos, então que tal apostar em marketplaces onde os pequenos produtores tenham mais chances de vender? Uma boa ideia é criar uma conta e cadastrar os seus artesanatos, roupas ou qualquer outro produto seu no Mercado Livre ou no Elo7, dois grandes portais das vendas online.

Já se você vende bolos, salgados, faz aquela quentinha deliciosa ou vende comidas saudáveis, por exemplo, vale se cadastrar no iFood para deixar todo mundo na sua cidade com água na boca e ganhar mais dinheiro.

5. Diversifique as suas fontes de renda

Já ouviu aquela frase típica de consultores financeiros de que não é uma boa ideia colocar todos os ovos na mesma cesta? O que ela quer dizer é que quando você investe todo o seu esforço em uma única fonte de renda, se ela der errado por alguma razão, você fica sem ter de onde tirar o seu sustento.

A melhor ideia, então, é diversificar as fontes de renda, de forma que se um produto ou serviço que você vende der errado, você tenha como ganhar dinheiro de outras formas. E isso não é papo para quem ganha muito dinheiro: o MEI e o trabalhador autônomo é mais frágil economicamente, então é importante você se proteger dessas quedas nas vendas.

Vamos a um exemplo? Para isso, imagine um contador que trabalhe de forma independente.

Ele pode oferecer o serviço de fazer o imposto de renda para pessoas que não sabem fazer isso. Pode também oferecer um serviço de contabilidade básica para outros trabalhadores informais, emitindo as notas fiscais e os impostos que precisam ser pagos pelos seus clientes. E, por fim, ele pode também vender no seu site um curso online para ensinar as pessoas a fazerem o próprio imposto de renda.

Esse post foi útil para você? Então, aproveite para continuar a sua leitura com outros conteúdos que também podem te ajudar a cuidar da sua vida financeira e do seu negócio!

Vale entender a diferença entre economizar, poupar e investir, aprender como poupar dinheiro com o PIX e também conhecer 6 apps para organizar a sua agenda para quem trabalha em casa.

Posts relacionados

Deixe um comentário