como não transmitir doenças como não transmitir doenças

7 dicas de como prevenir doenças e não transmiti-las

8 minutos para ler

Em meio ao avanço dos casos confirmados de indivíduos com Covid-19, no Brasil e no mundo, e dos alertas a respeito da facilidade com a qual o coronavírus se transmite e permanece por longos períodos em diversas superfícies, milhares de pessoas passaram a se preocupar mais sobre como se prevenir e não transmitir doenças.

Com isso, estão dando um nível de atenção muito maior aos hábitos de higiene que ajudam a reduzir ou mesmo acabar com a proliferação de vírus, bactérias e outros micro-organismos que são responsáveis por essa e outras enfermidades.

Pensando nisso, listamos 7 dicas que vão ajudá-lo nessa tarefa e contribuir para que você, sua família e as pessoas com quem você convive estejam menos expostas a ameças invisíveis e se mantenham saudáveis e devidamente protegidas em qualquer tempo e contra diversas outras doenças. Acompanhe!

1. Lave as mãos regularmente

Para começar, temos uma dica que, sem dúvidas, é uma das mais importantes: lave as mãos regularmente. Lembre-se que a principal forma de contágio de doenças é justamente por conta do toque, já que muitas pessoas tossem e espirram tampando a boca com as mãos. Com isso, fluidos com vírus e bactérias ficam sobre a pele e são espalhados por onde quer que elas toquem ou os objetos que manuseiem na rotina.

Portanto, para evitar essa propagação, o recomendado é higienizá-las bem por cerca de 30 segundos com água corrente e sabão (se possível, do tipo bactericida) antes e após lanches e refeições, depois de utilizar lavabos e banheiros (principalmente os públicos) e após ter contato com animais de estimação. Vale lembrar de que, durante as lavagens, você deve esfregar não apenas as palmas das mãos, mas também a superfície delas, entre os dedos, ao redor das unhas e até o início dos punhos, certo?

2. Carregue álcool em gel com você

O álcool em gel é um produto que você deve ter não só em casa e no seu local de trabalho, como também consigo. Afinal, muitas marcas produzem frascos portáteis que cabem facilmente em bolsas e mochilas, permitindo que você o carregue para onde quer que vá.

Isso é necessário porque ele funciona como alternativa para eliminar vírus e bactérias das mãos quando você está na rua ou em algum espaço público — sem ter como higienizá-las com água e sabão — e toca em superfícies (como portas, corrimãos, paredes, painel de elevadores, espelhos etc.) ou em objetos (como dinheiro e maquineta de cartão) que já foram tocados por outras pessoas. Às vezes, centenas delas em um único dia.

3. Dê descarga com tampa fechada

Uma terceira dica de como se prevenir e não transmitir doenças é dar descarga somente após fechar a tampa do vaso sanitário, principalmente ao fazer o número dois. Isso porque deixá-la levantada permite que as bactérias das fezes sejam, literalmente, lançadas ao ar durante a liberação do fluxo de água.

Como resultado, elas se espalham pelas paredes, a pia e os utensílios deixados no banheiro (toalhas, maquiagem, escovas de dente, frascos de xampu e condicionador etc.), itens que você manuseia várias vezes ao longo do dia e, posteriormente, acaba levando as mãos aos olhos e à boca. Percebe como um simples descuido desencadeia uma série de riscos?

Agora imagine se isso acontece em um banheiro social usado não só por você, mas também outras pessoas da sua família. As chances de contaminação quadruplicam facilmente.

4. Evite o uso do celular no banheiro

Há pouco, falamos de como o banheiro pode ser um local que acumula vários micro-organismos. Justamente por isso, é importante evitar levar o celular para dentro dele e usá-lo, seja enquanto toma banho, seja enquanto faz suas necessidades.

Do contrário, os germes do ambiente podem se concentrar sobre a tela do aparelho. Com isso, ao usá-lo próximo do rosto durante as ligações, você acabará entrando em contato direto com milhares de bactérias.

Outro ponto importante é ficar atento à limpeza do seu smartphone. Como é comum utilizá-lo ao circular nas ruas, emprestá-lo aos amigos e familiares e mexer nele sem uma higienização prévia das mãos — que muitas vezes estão sujas ou tocaram em diversas superfícies —, o celular pode acumular diariamente não só bactérias, mas também vírus, fungos e parasitas capazes de adoecê-lo.

Por isso, o indicado é limpar toda a superfície dele, em média, duas vezes por dia com um lenço ou pano de microfibra levemente umedecido com álcool em gel.

5. Não compartilhe utensílios de cozinha

Para muitas pessoas, é um hábito comum compartilhar diariamente itens como talheres, louças, copos e afins, ainda mais quando você mora com a família ou amigos e são muitos indivíduos no mesmo endereço. Acontece que esses objetos, na verdade, são de uso pessoal. O motivo disso é simples: ao usá-los, eles entram em contato com a sua saliva e todas as bactérias, vírus e germes presentes nela, retendo-os.

Para agravar o caso, a lavagem comum dos utensílios de cozinha com água e detergente não remove 100% dos micro-organismos, a não ser quando é usada água fervente (por conta da temperatura elevada) — algo que pouca gente sabe e faz. Portanto, o ideal é separar os itens que você usa daqueles que são utilizados pelos demais moradores do local.

6. Mantenha a sua residência limpa

Fora o que já foi dito, mantenha a sua residência limpa. Muito mais do que uma questão estética ou de organização, a higienização dos cômodos é necessária para evitar acúmulo de poeira e até mesmo restos de alimentos — que podem, inclusive, atrair insetos, como aranhas, formigas, baratas, moscas etc.

Para completar, a limpeza frequente da sua casa (uma faxina a cada 7 dias, por exemplo) reduz a chance de focos de fungos em móveis e paredes, que são micro-organismos responsáveis por causar doenças respiratórias e alergias. Isso sem mencionar a remoção de bactérias que podem provocar uma baixa no seu sistema imunológico e que se aglomeram, por exemplo, em roupas sujas, louças usadas, tapetes e cortinas que não são lavados, estofados que não são aspirados e muito mais.

7. Tire os calçados ao chegar em casa

Por fim, há uma última dica relacionada ao seu lar. Antes de seguir para um dos cômodos, retire os seus calçados logo na entrada da casa. Esse hábito, que é muito comum em países asiáticos, contribui para evitar que você traga impurezas das ruas — que se prendem à sola dos tênis, sapatos, saltos, botas — para o interior do imóvel, especialmente quando você frequenta locais de grande fluxo de pessoas durante o dia.

Além de manter a higiene, isso acaba evitando que germes, bactérias e outros micro-organismos se espalhem em ambientes onde você dorme e prepara as suas refeições. Uma boa ideia é deixar duas sapateiras em cantos acessíveis do hall de entrada ou do jardim para que você e, inclusive, as suas visitas, guardem os calçados ao chegar no local e, em seguida, usem chinelos próprios para o interior do lar.

Lembrando, é claro, que a distância entre as sapateiras deve ser de, no mínimo, 1,5 metros para evitar a contaminação dos chinelos, certo?

Como deu para ver, há muitas formas de como se proteger no cotidiano contra várias doenças, em especial aquelas que são mais agressivas em determinados grupos de risco. Apenas é preciso ter uma boa dose de autocontrole e dedicação, colocar esses hábitos em prática e estimular as pessoas que moram e convivem com você a fazerem o mesmo. Quanto mais gente se conscientizar da importância dessas pequenas ações, mais fácil será se prevenir e não transmitir doenças.

Gostou do post e das dicas que reunimos nele? Então aproveite para assinar a nossa newsletter e conferir mais conteúdos essenciais para ter um estilo de vida mais saudável!

Posts relacionados

Deixe um comentário