consultórios "covid free" consultórios "covid free"

Consultórios médicos: como estão cuidando da proteção dos pacientes?

6 minutos para ler

A pandemia causada pela Covid-19 alterou a forma de atendimento em consultórios e clínicas. Apesar da necessidade de que esses estabelecimentos de saúde continuem funcionando, em virtude de se tratar de um serviço essencial, os médicos precisam ter atenção redobrada e adotar cuidados especiais a fim de garantir a devida segurança dos pacientes.

Nesse cenário, surgiu o conceito de consultórios “covid free”. Trata-se de um novo conceito de atendimento que retrata a forma como os médicos estão se adaptando e se preparando para retomar o suporte aos pacientes da forma mais segura possível, adotando cuidados especiais para evitar e reduzir os riscos de contaminação pelo vírus.

Neste artigo, vamos abordar o funcionamento dos consultórios “covid free” e o cenário atual da área da saúde médica e hospitalar em tempos de pandemia. Continue a leitura e confira as principais medidas de segurança que são adotadas pelos médicos!

Desinfecção do ambiente após cada consulta

É importante fazer a higienização completa e constante do ambiente. É essencial ter cautela com relação à limpeza do consultório, desde a recepção até a sala de atendimento. Sempre que um atendimento for finalizado, o ideal é efetuar a desinfecção do local.

Nesse sentido, o chão deve ser higienizado com um pano umedecido com hipoclorito de sódio, bicarbonato, álcool ou desinfetante contendo quaternário de amônio. Se houver, também é possível utilizar um spray contendo essa substância e espirrar no ambiente vazio, deixando agir por alguns minutos. Os equipamentos também devem ser limpos com álcool 70 e esterilizados, no intervalo entre as consultas.

Evitamento de aglomerações no consultório

É importante evitar o acúmulo do fluxo de pacientes dentro do consultório. Para isso, é solicitado ao paciente que compareça à consulta no horário marcado e para que ele não atrase e nem chegue ao local com muita antecedência. Isso evita o contato com outros indivíduos desde o momento da sua entrada até a saída do estabelecimento. Além disso, o ideal é evitar que ele traga acompanhantes consigo na consulta, salvo se for estritamente necessário.

Se possível, deve ser feito um espaçamento entre os atendimentos de um paciente e outro (de 20 minutos, por exemplo). Assim, não há o risco de encontros, reduzindo os riscos de contágio pelo vírus.

Realização de consultas a distância

O Conselho Federal de Medicina (CFM) autorizou o uso da Telemedicina no Brasil de modo excepcional, em virtude do surto de Covid-19. Trata-se do emprego de ferramentas tecnológicas que permitem a telecomunicação entre paciente, médico e outros profissionais da área da saúde que se encontram em lugares distantes.

Nesse sentido, a teleconsulta passou a ser liberada, ou seja, o atendimento inicial do médico para o paciente. É importante deixar claro que alguns setores da Telemedicina já eram utilizados, como o telediagnóstico (leitura de laudos médicos) e a teleinterconsulta (consulta e reunião de médicos entre si).

Atualmente, a Telemedicina é passível de ser implementada nas seguintes situações:

  • teleorientação: os médicos orientam os pacientes e, diante da suspeita de contaminação, determinam o seu isolamento;
  • telemonitoramento: acontece o monitoramento do paciente a distância, levando em conta as características da doença;
  • teleinterconsulta: há o debate para a troca de informações entre médicos.

Adoção de cuidados na sala de atendimento

O paciente deve ser orientado para que, assim que entrar na sala de atendimento, sentar na cadeira específica e evitar entrar em contato com qualquer outra superfície. É importante manter uma distância segura entre o médico e o paciente — 2 metros, no mínimo. O local de assentos, então, deve ser organizado de modo a respeitar a margem de segurança. Também é fundamental a limpeza da mesa e da cadeira após a consulta de cada paciente.

Além disso, todo o material que for utilizado durante o atendimento deve ser devidamente separado com antecedência, ou seja, antes do atendimento, a fim de evitar ter que abrir gavetas no momento da consulta, do exame ou do procedimento. Da mesma forma, esses utensílios e os aparelhos devem ser higienizados após o uso.

É essencial também orientar o paciente a falar o menos possível e a levar o mínimo de itens para o consultório — no máximo, uma bolsa. Esse cuidado também evita o risco de contaminação.

Se houver condições financeiras, vale investir na compra de materiais de proteção descartáveis para os pacientes — máscaras, luvas e óculos de proteção. Assim que eles chegarem à porta de entrada do consultório, é possível distribuir esses itens e pedir para que eles os utilizem.

Reforço do uso de luvas e máscaras

O médico e o paciente devem usar máscaras e luvas durante todo o período que durar a consulta. Caso seja necessário efetuar algum exame ou procedimento específico e a máscara tiver que ser retirada, é importante que o profissional fique o mais longe possível do paciente. Nesse caso, vale pedir para ele recolocar a máscara o quanto antes para evitar o risco de contaminação.

Uso de procedimentos de triagem

A triagem é um procedimento de coleta de informações clínicas a fim de verificar o estado de saúde do paciente. Dessa forma, é possível ter uma noção maior sobre a gravidade de um sintoma, sobre a existência de uma doença e sobre a possibilidade de evolução para quadros mais graves, indicando a necessidade de internação, por exemplo. Assim, fica mais fácil saber se ele pode estar infectado com o novo coronavírus.

É importante lembrar que a Lei nº 13.979/2020 determina as medidas para enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do surto de coronavírus em 2020. Essa disposição foi regulamentada pelo Decreto Federal nº 10.282/2020, que estipula que o serviço médico e hospitalar, público ou privado, é considerado como essencial. Logo, precisa continuar em funcionamento.

O conceito de consultórios “covid free” surgiu como uma forma de adaptar o atendimento médico em instituições de saúde durante tempos de pandemia. É importante ter o máximo de cuidado com a higienização e planejar a gestão adequada de consulta dos pacientes. Nesse cenário, a tecnologia veio para otimizar a rotina dos médicos e facilitar a marcação de consulta pelos pacientes.

O HAND é um app que garante descontos de até 50% em consultas médicas e em exames realizados em clínicas e laboratórios credenciados. Além disso, você pode marcar uma consulta diretamente pelo app. Ficou interessado? Então, entre em contato e conheça as funcionalidades da solução HAND!

Posts relacionados

Deixe um comentário